segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Até as princesas soltam pum



        

  Na leitura da semana passada pude sistematizar com os alunos o que é um verbo.

 Começamos lendo o livro, entre risadas e caras de surpresa eles se envolveram com a história. É bem verdade que alguns rapazinhos no começo ficam dizendo que a história é inventada, que é tudo mentira, mas do meio pra lá escutam atentos e se deixam levar pelo prazer do imaginário novamente!

 Sempre tem a discussão sobre a leitura e nessa sobrou para outros pequenos que andavam soltando flatulências demais na sala. A turma cobrou uma atitude deles!!! Coisas de criança!

 Partimos para a produção, no início eles estranharam, mas depois compraram a ideia: escrever histórias de seus personagens preferidos nessa situação bem constrangedora!

Aluno alfabético.
Aluno silábico-alfabético, escrita mediada. " Era uma vez o Wolverine, ele salvava as pessoas e depois peidava."


 A apresentação dos textos é um momento onde eles podem desenvolver o ritmo, a fluência e a entonação na leitura. Não é obrigatório ler seu texto, mas estou sempre incentivando aqueles que não costumam fazê-lo.

 



 Na segunda produção da semana fizemos texto coletivo, resumindo a narração.

 Depois de copiar, circulamos todos os verbos e fomos brincar de "dança da cadeira de verbos".



 No potinho em frente ao quadro coloquei alguns verbos do texto e acrescentei outros. A cada rodada um aluno, em ordem alfabética, retirava um verbo e lia, para dar as voltas na cadeira tinham que realizar a ação falada: pular, correr, parar.
  
 E nessa dança ninguém perdia, a cada parada retirava-se uma cadeira, mas todos deveriam continuar sentados, caso contrário a turma perderia. Dança da cadeira cooperativa, vi na net há algum tempo.

  Durante a semana fiz probleminhas utilizando os personagens do livro e ensinei os outros tipos de verbo.

 Tenho certeza que se você ler este livro vai ter um milhão de outras ideias, ele é muito rico! Só não esqueça de compartilhá-las com a gente!

                                                        
                                              
                                                           Até mais!!!

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Sequências didáticas a partir de livros




 Todo professor tem uma prática particular, aquela atividade infalível e um jeito de alfabetizar todo especial.

 O importante nessa dinâmica de ensinar é nunca engessar essas práticas. Nós precisamos sempre de reflexão sobre nosso planejamento, da troca com outros profissionais e de estar constantemente aprendendo, em livros, cursos, vídeos e principalmente  com nossos pequenos ensinantes.

 Quem acompanha o blog sabe que vivo nessa reflexão, do que dá ou não certo e de alcançar as necessidades dos alunos.
  
 Também sabem, como eu, que nem sempre conseguimos tal feito, mas que nem por isso desistimos.

 Uma prática que me auxilia e muito é dar os conteúdos previstos a partir de histórias e outros textos, montando pequenas sequências didáticas.

 Para trabalhar gênero do substantivo usei este livro:

                                                   

 Fizemos produção individual e correção coletiva. Escrevi o texto do Samuel no quadro. Lemos e arrumamos juntos o que foi necessário.


Texto original do Samuel. A correção foi uma ótima oportunidade para trabalhar verbos no passado e futuro, utilizando corretamente ÃO e AM.

 No outro dia reescrevemos o texto passando-o para o masculino.

 Já no final da semana trabalhamos com as palavras do texto escrevendo frases e mudando-as de gênero.

 Na matemática fizemos probleminhas.

 Outro exemplo foi com o conteúdo horas:


 Lemos o livro, conversamos bastante e fomos para a produção, individual e narrativa também.



 Retomei a utilidade do relógio e dei atividades de folhinha para marcar as horas.

 Também corrigimos o texto do amigo Wendell coletivamente.

                        

  Fizemos toda a interpretação e aumentamos nosso repertório de palavras escritas com H inicial.  

 Esses são apenas exemplos de como explorar as leituras, contextualizando-as. 

 No link você encontra outras Sequências didáticas

 Acredito que não é preciso parar a aula para alfabetizar e nem deixar de alfabetizar para dar conteúdos.

 Da forma como trabalho hoje, além de realizar essa união prazerosa, a cada semana as crianças fazem uma nova receita, desfrutam de um poema, aprendem novas informações e  conhecem encantadoras histórias.

Sempre seguindo Num constante aprendizado!

 Vem você também!!!


sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Dica de leitura: O livro do cérebro



 O que acontece quando um professor começa a estudar neurociências? 

 Ele se apaixona!

 E talvez fique como eu, se perguntando porquê não estudamos isso no curso de formação de professores em nível médio ou ainda na graduação de licenciatura.

 A verdade é que compreender como o cérebro funciona é fascinante!!!

 Por isso, a dica de leitura para hoje é o Livro do cérebro, da mesma editora da revista Mente e Cérebro. Trata-se de uma coleção com 4 livros. Infelizmente ainda não tenho o volume 1 que aborda o funcionamento geral do sistema nervoso e nem o 4 que enfatiza  alguns distúrbios neurais.

                                

 Cada livro custa R$ 16,90. Aqui pra minha cidade o frete fica R$19,00. Bem puxadinho... Mas vale a pena!

 São livros com ilustrações maravilhosas, explicando passo a passo os processamentos neurais responsáveis pela linguagem, leitura e memória, por exemplo.

 Pra quem se interessar o link onde compro é este https://www.lojasegmento.com.br/produtos/?categoria=112 .

 Você pode pensar que não precisa estudar isso, que não é sua área e que não faria diferença na sua prática, mas acredite, conhecer como a criança aprende é o primeiro passo para ensinar.

 Invista em você como profissional, nos seus estudos e planos, sonhe... Conquiste!

 E continue fazendo diferença por onde você passar! Sempre Num constante aprendizado!

 Muito obrigada por estar aqui e acreditar comigo!


Até mais!!!

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

É hora de dividir!



                                      

 Rita e a ovelha negra eram amigas e quando Rita mais precisou sua amiga dividiu tudo o que tinha de melhor com ela...

 Foi com essa história que ensina sobre não ter rótulos e compartilhar o que temos que sistematizei o conteúdo com as crianças.

 Depois de ler e conversar fizemos um texto coletivo, o livro traz apenas ilustrações. Antes de escrever pontuamos as partes mais importantes, cada parte se tornou um parágrafo. Durante a semana trabalhei interpretação e também a escrita de palavras com "LH".





 Entre ler e escrever partimos para dividir na prática. A atividade foi bem simples, mas os envolveu por completo. Começamos com grupos de 4 alunos, eles precisam dividir 20 balas igualmente e depois registrar a operação matemática.

                                   


 Eu passava nos grupos para explicar o processo e depois corrigia coletivamente.
                              

 Trocava a quantidade de crianças nos grupos e também de balas e pouco a pouco toda a turma compreendeu o processo.

                               




 Numa atividade assim é importante deixar as regras claras para que não haja confusão. Expliquei que a cada rodada um amigo seria responsável pela divisão, mas que todos ajudariam com opiniões.






 Falei também que iria trocá-los de grupo durante a brincadeira e que não havia motivos para reclamação e claro: nada de esconder bala no bolso, pegar do outro grupo e nem comer durante a atividade, ao final dividiríamos igualmente.




  
 No fim deu tudo certo! Tenho aprendido que o ideal é não deixar que atividade se esgote, mas concluí-la antes que isso aconteça, assim fica aquele gostinho de quero mais!!! 

 Nessa caminhada de erros e acertos a gente constrói  e reconstrói nossa prática, buscando sempre uma forma de alcançar aqueles que precisam bem mais do que uma cópia no caderno.

 E isso é seguir Num constante aprendizado!


 Obrigada por sua visita e até mais!!!